domingo, 28 de dezembro de 2008

QUEM ME DERA ...

Quem me dera ...
Servir de alento
para o teu desatento
jeito de ser.

Quem me dera ...
Suprir tua carência,
mas a tua essência
é ávida da dor.

Quem me dera ...
Entender tua angústia,
mas emudeceste
e a tua alma não pude ler.

Quem me dera ...
Traduzir teu silêncio,
mas naquele momento
Também emudeci.
Mazé em dezembro de 2003.

               Bjokas no coração!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua impressão sobre a postagem. Seja sincero(a), para que eu possa crescer como escritora e poeta. Agradeço de coração sua opinião. Volte sempre. Bjs.