MEUS POEMAS

Outros poemas meus, você encontrará na página inicial, procure e clique  no marcador meus poemas, abaixo da postagem. E terá acesso a uma sala maior de poemas. 

Obrigada!
       

                  
   Salinha de Poemas
" Especiais"
  Meus poemas... pura emoção!
Este poema abaixo apresenta meu novo livro infantil
Frida Poeta, publicado no Clube de Autores em 2019. Para 
vê-lo, entre no link ( www.clubedeautores.com.br ) e procure pelo título do livro. A seguir, tem outros poemas muito importantes para a autora também.

FADA POETA

Frida fada poeta.
Às vezes bruxa,
Às vezes fada...
Um tanto bruxa,
Um tanto amada.

Portanto, mágica.
Portanto, FADA.

Nasceu entre as estrelas
Do céu de Britânia.
Reino encantado,
De um céu estrelado.

Viagem no tempo
Fez balanço o vento,
Chegou ao chão
Feito pensamento.

Ela é pluma leve.
Ás vezes catarse.
Às vezes alento.Ela é divindade.
É deusa.
Linda FADA da imaginação.




UM DIA

Um dia, ainda lerás os meus versos
Ficarás encantado com a poesia,
Sentirás saudades da alegria
Que  no meu peito pulsou,
E na minha alma senti.

Mas nesse dia...
Não mais estarei aqui.
Sentirás falta dos meus abraços,
E da minha boca a sorrir.

Ficarás amigo da saudade,
Lembrarás  dos  nossos momentos,
Da felicidade,
De todo o carinho e ternura,
Do grande amor que senti.

Tomado
Pela saudade, então,
Para mim, comporás uma canção!
E onde estiver, ouvirei,
Ficando em paz,
Porque, enfim, reconhecerás
Ser só meu, teu coração.

Bjokas no coração!









MÁGICA DE POETA


Às vezes, a dor não cabe nas palavras;
Então os poetas procuram uma opção.
Às vezes, as pessoas não os entendem,

Eles, os poetas, andam na contramão.


Às vezes, os poetas não choram, 
Pois  as  lágrimas os traem, 
Pegam um rumo, seguem o vento e  se vão.

Então, os poetas se  juntam a Deus e, como  mágicos, 

Criam  uma melodia, transformando a dor em canção.


  




 SAUDADE

Oh, meu amor!
Quanta tristeza  me restou
Tal qual pássaro triste,
Que sua asa quebrou.

Oh, meu amor!
Quanto  vazio me restou
Tal qual água do rio,
Que no verão secou.

Oh, meu amor!
Quanta solidão me deixou
Tal qual andorinha perdida,
Que do seu bando afastou.

Oh, meu amor!
Quanta saudade sou eu
Tal qual estrada vazia,
Que o coração esqueceu.

                    Bjokas no coração!



                                                    



IDEIAS DA MEIA-NOITE

Aprendi 
        que amigos,
        amigos de verdade,
        tem-se alguns.

       Alguns poucos.
       - Pouquíssimos!

Aprendi     que as pessoas sempre nos surpreendem,
     que o mundo não é o que pensamos,
     quando se tem...quinze anos.

Aprendi
    que hoje quero compartilhar
    só os amigos...
    os poucos amigos!


Aprendi
   que o  mundo é um grande teatro,
   qual é o teu papel?!


Aprendi
   muito na escola.
   Mas, aprendi muito mais com a vida!
   Também aprendi que nada sei.
   E descobri que é  dos inocentes o sorriso mais verdadeiro!



   Já quis ser perfeita,  exemplar.
   Hoje sei que isso é impossível!
   Por mais que tente,
   Vou vai sempre errar.
   Hoje não quero ser mais nada!

   Só quero ser eu mesma. 
   Só Maria...
   Só Maria! 

         
          Maze Oliver
         Bjokas no coração!

Esses são aprendizados da vivência

Repostado por Mazé Oliveira  em 18 de junho de 2010.



                                     

       Meus poemas sobre o Acre

         VIDA DE SERINGUEIRO

 A Coleta e o Coleta


                   Ao canto do galo
                        Sineta de trabalho,
                            ponteiro de relógio!
                                Ainda  é  madrugada,
                                       no seringal.


                 Já é  hora de trabalho,
                 em  Belo Jardim,  Seringal.

                     Longe...
                         Muito longe,
                                No  oco do mundo.
                   Terra de brabos.
                       Canto de solidão.

    Mata  virgem
     mistério... silêncio...
      Caixa de segredos.
       Ninho de  selvagens...
        Feras famintas
         ou raivosas,
          passos miúdos
           entoam  uma canção!

     Ai...
   Picada de Jararacuçu...
      Dor! ... Veneno...
       O  seringueiro...
        Agoniza e vence.
       
              Driblou a  cara da morte...
       Mais uma vez!

        Seringueiro,
         Criatura exótica.
           Da mata, o mateiro...
            Costume  de  bicho do mato.
              Cumprindo 
                seu  destino    
                  Tempo de solidão.
                                                             

    Na estrada de leite
    ou de água...
    Colhe o leite, o Coleta.
    Levando para casa 
    muita esperança.
    Sua única riqueza!

 Ao  meu pai  Raimundo, vulgo Coleta, Seringueiro do Acre,
        Lugar de gente valente, corajosa e esperançosa!


                                                  
                                                              Bjokas no coração!


                                            



   
 Saga seringueira

Busca de eldorado
Estranho ninho
    Da superação
    Dos infortúnios,
    Da sina nordestina
    Da escravidão do ser
    e de suas sementes.
    Ali no aceiro da mata virgem,
    No barranco do rio
    nasceu o Acre...
    E com ele...
    Um povo  sofrido,
    porém guerreiro,
    alegre, bem humorado
    e hospitaleiro!


  Dedico este poema ao povo do Acre  que todos os anos sofre com as chuvas torrenciais que enchem os rios e  invadem  casas e praças. 
E que  como guerreiros, vencem mais esta dificuldade. Coragem!

                     
                                                   

            Bjokas no coração!








                                                              




   ACRE
                   Nasce o Acre!
               E com ele a magia.
            Aventuras no mundo novo...
        Guerreiros de outras terras...
           Fizeram nascer nosso povo,
               no coração da floresta.
                         Coragem
                           Honra
                            Força
                            Vida

                                                                                 SÃO TANTOS DIAS

   Maze Oliver

São tantos dias de glória!
Pra contar, é tanta história.
Refletindo sobre a vida,
Ou mesmo curando feridas.

Os anos vão se passando
E com eles nossa vida.
Penso que em muito breve
Teremos a vida vivida,
E com ela, os tempos idos.

Se pudesse voltar no tempo...
De você, mais gostaria!
Mais músicas eu ouviria
Comporia mais poemas
Cantando no banheiro,
A vida eu multiplicaria!

14 de Agosto de 2016
Em homenagem ao meu amor!
                                                                            Bjokas no coração!        Maze Oliver