quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Divórcio, sem traumas!

         A separação muitas vezes quando mal resolvida pode deixar traumas nas crianças ou nos adolescentes. Porém,  isso não precisa necessariamente acontecer. A grande maioria dos casais quando separam transformam essa fase de suas vidas numa grande batalha. Esquecem que os filhos mesmo pequenos, são pessoas com sentimentos e que a guerra travada durante o processo de divórcio podem lhes custar muitos anos de terapia, ou muitos problemas futuros. Geralmente, os filhos ficam isolados assistindo a tudo,  sofrendo muito e sendo muitas vezes, alvo de disputa.

         Na escola tenho acompanhado muitas crianças que ao viver o drama da separação dos pais, apresentam mudanças de comportamento e dificuldades de aprendizagem, algumas chegam até mesmo a a ter dificuldades para acompanhar o desenvolvimento da turma.
         Quando uma relação perde a razão de ser e os envolvidos não mais se amam,  o melhor é mesmo separar,  do que continuar com uma relação neurótica e amarga.  Só que os conflitos  dessa separação deve  envolver somente os adultos e  é aí que começam as dificuldades. Os pais simplesmente esqueçem da existência dos  filhos e passam a se degladiarem na presença deles. Insultos, acusações e cobranças, quando não agressões,  vão minando a mente dos filhos causando traumas e fobias. O resultado disso implica em muito sofrimento futuro na vida emocional desses filhos. Pois levam essas experiências traumáticas para sua vida adulta.

        Para não afetar os filhos, o casal deve conversar pacificamente  e juntos decidirem com quem ficam os filhos, onde irão morar, etc.  É bom que as crianças ou adolescentes participem dessas conversas (sejam ouvidos)  para disseminar o clima de guerra e mostrar a eles que o divórcio  irá acontecer para melhorar a  vida em família. Mas para que a separação seja conduzida dessa forma,  é  necessário muito equilíbrio e maturidade. Pois geralmente existe  mágoas e ressentimentos em jogo,  e na maioria das vezes o que fala mais alto é o egoismo ou a confusão de sentimentos experimentada pelos adultos, nesse momento doloroso de suas vidas.

        Quando isso acontecer e o casal tiver dificuldades em conduzir a separação de forma racional, é melhor buscar ajuda. Um bom terapeuta poderá ajudar essa história a ter um final mais feliz.


                                                           Bjokas no coração!

  
         

15 comentários:

  1. Amiga Mazé,
    Você trouxe um tema de muita importância. A ajuda de um terapeuta é importante, quando o respeito desaparece e surge a violência verbal (pior ainda a violência física, mas isto jã não é caso de terapeuta e sim de polícia). Os filhos têm os pais como exemplo e ficam desnorteados nesses momentos difíceis na vida de um casal. Os pais precisam entender isso e Respeitarem (com R maiúsculo) os filhos.
    Abração.

    ResponderExcluir
  2. fico feliz que tenha gostado do selinho. Um abraço Dado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, fiquei muito feliz pela gentileza. Obrigada.

      Excluir
  3. Amigo J.F., É realmente relevante o número de crianças que saem prejudicadas numa situação dessa. Espero ajudar com esse texto, pessoas que se encontrem vivenciando esse conflito.Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. É sempre traumatizante uma separação. Porém acredito que a separação por um chamado de Deus é algo, que não existemn palavras para sua definição. Passei isso há 3 anos quando perdi meu marido em acidente de carro. Sinto falta dele e nada substitui a sua ausência, mas a vida continua uns dias claros e com muito sol e outros muito cinzentos em que o coração chora baixinho. Um grande beijo amiga

    ResponderExcluir
  5. Yvone, sua dor deve ter sido dilacerante. Mas, o tempo tudo cura.Bjs.

    ResponderExcluir
  6. maze após seu comentario no forum soltei o verbo por la. Obrigado pela sua participação. Um abraço dADO

    ResponderExcluir
  7. Mazé como já deve sabe,r tenho uma escola de educação Infantil onde minha esposa é a pedagoga. Convivemos com esse problema de separação familiar todos os dias, pois 75% de nossas crianças tem seus pais separados. Na maioria dos casos estas crianças espelham em nos professores seus pais e da mesma forma procuramos ajuda-los com carinho e atenção.

    Mazé você comentou sobre span la no forum. E eu soltei o verbo escrevendo. continue participando. Um abraço Dado

    ResponderExcluir
  8. Mazé seu blog sera destaque por algumas semana e abrira dentro do meu site. Um abraço dado

    ResponderExcluir
  9. Oi Maze..vim conhecer o seu espaço..e vi que trata sobre vários temas aqui..e importantes...como este da separação...hoje em dia se tornou tão fácil se separar né?o casal pouco se importa com o destino dos filhos...são muitos poucos os que se preocupam com isto...
    tenho um irmão que se separou da esposa...minha sobrinha...de 5 anos vive meio que perdida nesta separação...ainda mais que tem um padastro no meio agora...que não supre a falta do pai...e o pai por morar muito distante da criança também não pode exercer o seu papel de pai como deveria e gostária!é muito triste para os filhos a separação...por um outro lado..triste também viver no meio de brigas...é complicado..adorei o tema...
    Beijão!fou um prazer conhece-la..apareça sempre que sentit vontade!até!

    ResponderExcluir
  10. Sandrinha, é verdade. Hoje são muitas as crianças que sofrem e se traumatizam com o conflito dos pais. Agradeço sua visita, volte sempre!

    ResponderExcluir
  11. Olá Maze Oliver! Tudo jóia?! Espero que sim.

    Vim de lá do forum do Dado conhecer seu blog. Muito bacana aqui.

    Gostei do texto.

    Eu sou filha de pais divorciados, minha mãe foi embora da casa do meu pai quando eu tinha uns 6/7 anos de idade, não tinha como eles permanecerem juntos mesmo, mas foi sem brigas, sem traumas. Houve muito diálogo e eu quase não sofri pois recebi apoio dos dois.

    Na verdade, por fim eu acabei até ganhando regalias, pois ganhei duas casas e mais atenção. Hoje vivo com meu pai por opção.

    Só aconteceu uma coisa chata com a separação, inicialmente tive muito ciúme do meu padastro. Quando o ciúme passou ganhei mais um super pai.

    Um abraço e tudo de bom.

    ResponderExcluir
  12. Olá Ingrid, sua história comprova que um divórcio pode ser bem resolvido qdo. há maturidade e equilíbrio! Volte sempre q quiser. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  13. Bom dia Maze!Todo divórcio pode ser bem resolvido.Temos quer equilibrio,do casamento temos filhos.Temos que pensar,que eles iram crescer e formar a família deles.Temos que ter uma amizade pacifica,porque teremos netos e temos que nos encontratar.
    Sabe Maze,as pessoas não pensam muito que teremos conviver a vida toda.
    Beijos com carinho!!!

    ResponderExcluir

Deixe aqui sua impressão sobre a postagem. Seja sincero(a), para que eu possa crescer como escritora e poeta. Agradeço de coração sua opinião. Volte sempre. Bjs.